+ Populares

Aviso


12 outubro 2008

Dia Nacional de Combate à Obesidade



Estar acima do peso é um dos problemas que estão se tornando mais comuns no Brasil. Muitos especialistas acreditam que não só a quantidade de gordura, mas também sua distribuição são fatores-chaves que causam danos à saúde.Por exemplo:O excesso de gordura na região do abdome, está associado a problemas mais sérios de saúde, inclusive infarto, derrame e diabetes Tipo 2, do que a gordura localizada na região do quadril e nas coxas. A razão é que o fígado coloca mais da gordura abdominal em circulação na corrente sanguínea.Poucas pessoas são realmente “gordas e felizes”. A obesidade pode ter efeitos devastadores na saúde. Como a magreza é muito valorizada em nossa cultura, as pessoas acima do peso frequentemente têm baixa auto-estima e são objeto de discriminação.A obesidade também pode causar problemas físicos como dificuldade para respirar e, para se movimentar, irritação da pele, dificultando levar uma vida normal. As pessoas obesas correm maior risco de contrair doenças do coração, hipertensão, derrame, diabetes e certos tipos de câncer. Outras conseqüências são danos às articulações, levando à osteoartrite e à incapacidade física, perpetuando um círculo vicioso que causa restrição de movimentos e aumento de peso.A obesidade é frustrante e muitas vezes difícil de superar. Os artigos e anúncios de jornais e revistas divulgam a constante demanda por perda de peso segura, rápida e eficaz.
Causas da Obesidade
O excesso de alimentos ingerido é convertido e armazenado como gordura. Por razões ainda desconhecidas, mas que talvez tenham uma explicação genética, algumas pessoas engordam com mais facilidade que outras. Na verdade pesquisadores descobriram um gene que parece promover a obesidade. Os hormônios também podem ter uma certa influência.
Invariavelmente, comida demais e pouco exercício são fatores-chave. Uma teoria afirma que cada pessoa tem um peso biológico “ideal”, e que o organismo ajusta o metabolismo para manter este peso sempre que a pessoa come a mais ou a menos do que gasta. Esta teoria pode ser válida; não obstante, a pesquisa indica que podemos reajustar este peso ideal através do emagrecimento gradual e do aumento de atividades físicas.
Dê um bom exemplo. Embora aparentemente a obesidade seja hereditária, a verdade é que pais que comem demais estimulam seus filhos a fazerem o mesmo. É verdade que as células de gordura surgem na infância e permanecem no corpo por toda a vida. Elas podem aumentar ou diminuir o volume conforme a gordura a ser armazenada, mas a quantidade permanece a mesma. Por isso, uma pessoa que foi obesa na infância pode armazenar gordura mais rapidamente do que uma pessoa magra desde pequena.Como o metabolismo fica mais lento com a idade, algumas pessoas engordam quando chegam a meia-idade. As pessoas mais velhas também podem ser menos ativas e, em ambos os casos, a necessidade de calorias diminui com a idade; e a ingestão de alimentos deve levar esses fatos de consideração.
O que se sente?
O excesso de gordura corporal não provoca sinais e sintomas diretos, salvo quando atinge valores extremos. Independente da severidade, o paciente apresenta importantes limitações estéticas, acentuadas pelo padrão atual de beleza, que exige um peso corporal até menor do que o aceitável como normal.Pacientes obesos apresentam limitações de movimento, tendem a ser contaminados com fungos e outras infecções de pele em suas dobras de gordura, com diversas complicações, podendo ser algumas vezes graves. Além disso, sobrecarregam sua coluna e membros inferiores, apresentando a longo prazo degenerações (artroses) de articulações da coluna, quadril, joelhos e tornozelos, além de doença varicosa superficial e profunda (varizes) com úlceras de repetição e erisipela.A obesidade é fator de risco para uma série de doenças ou distúrbios que podem ser:
Doenças
  • Hipertensão arterial
  • Doenças cardiovasculares
  • Doenças cérebro-vasculares
  • Diabetes Mellitus tipo II
  • Câncer
  • Osteoartrite
  • Coledocolitíase

Distúrbios

Distúrbios lipídicos
  • Hipercolesterolemia
  • Diminuição de HDL ("colesterol bom")
  • Aumento da insulina
  • Intolerância à glicose
  • Distúrbios menstruais/Infertilidade
  • Apnéia do sono
  • Diagnóstico
    A forma mais amplamente recomendada para avaliação do peso corporal em adultos é o IMC (índice de massa corporal), recomendado inclusive pela Organização Mundial da Saúde. Esse índice é calculado dividindo-se o peso do paciente em kilogramas (Kg) pela sua altura em metros elevada ao quadrado (quadrado de sua altura) (ver ítem Avaliação Corporal, nesse site). O valor assim obtido estabelece o diagnóstico da obesidade e caracteriza também os riscos associados conforme apresentado a seguir:

    IMC ( kg/m2) -> Grau de Risco -> Tipo de obesidade

    • 18 a 24,9 -> Peso saudável -> Ausente
    • 25 a 29,9 -> Moderado ->Sobrepeso ( Pré-Obesidade )
    • 30 a 34,9 ->Alto ->Obesidade Grau I
    • 35 a 39,9 ->Muito Alto -> Obesidade Grau II
    • 40 ou mais -> Extremo -> Obesidade Grau III ("Mórbida")

    O Controle da Obesidade

    O maior desafio não é emagrecer, mas sim permanecer magro.A maioria das pessoas recupera o peso perdido num prazo que varia de um a cinco anos. O único modo eficaz de perder peso para o resto da vida é uma combinação de exercícios e dietas de emagrecimento. Entretanto, qualquer pessoa que esteja 20% ou mais acima do peso deve consultar um médico antes de iniciar um programa de exercícios ou dieta restritiva.Dietas muito pouco calóricas ou com pouca gordura tendem a causar o efeito “ioiô”, ou seja, a pessoa perde peso e recupera rapidamente tudo o que perdeu, e as vezes até mais. Os quilinhos a mais são ainda mais difíceis de perder.

    Limite as calorias. Uma dieta que forneça 1.500 caloria/dia para mulheres e 2.00 calorias/dia para homens é uma meta razoável. Combinada com um programa de exercícios moderados, ela deve propiciar a perda de 450 a 900 g por semana. Como o objetivo é encontrar uma dieta com a qual se possa conviver para manter o peso, é melhor cortar calorias gradualmente comendo quantidades moderadas de carnes magras e outros alimentos ricos em calorias, massa ou outros alimentos com amido, e muitas frutas e verduras.Leite desnatado e laticínios com baixo teor de gordura fornecem o cálcio e outros nutrientes necessários.

    Cuidado com Calorias Vazias. Nenhum alimento está totalmente proibido, mas se deve evitar as calorias vazias do álcool, de sobremesas muito doces, de alimentos muito gordurosos ou de lanches muito salgados. A perda de peso é a própria recompensa. Ao emagrecer, a vontade de perder mais peso aumenta diminuindo o desejo por alimentos doces e gordurosos.Um nutricionista pode ajudar a elaborar uma alimentação balanceada e a monitorar seu progresso até você conseguir controlar seu peso sozinho.

    Guia Alimentar para uma Alimentação Saudável

    Uma dieta saudável deve conter:

    • 50 a 60% de carboidratos
    • 20 a 30% de lipídeo e
    • 10 a 15% de proteína.

    Para facilitar a seleção de uma alimentação adequada e saudável foram criados os guias alimentares.A Pirâmide Alimentar é um instrumento útil na educação alimentar de populações e indivíduos, tendo como principais conceitos:

    * A variedade

    * A moderação e a

    * Proporcionalidade.

    A variedade visa ao consumo de diferentes e variados tipos de alimentos dentro e entre os níveis da pirâmide;A moderação visa ao consumo de alimentos nas porções com os tamanhos recomendados, bem como ao consumo esporádico de gorduras, óleos e doces.Proporcionalidade objetiva ao consumo maior de grupos alimentares como cereais, situados na base da pirâmide e a gradativa redução da proporção à medida que se avança em direção ao topo da pirâmide (óleos e açúcares).

    Nenhum comentário:

    Hotwords

    LinkWithin

    Blog Widget by LinkWithin

    Seguidores